DIREITO

DE FAMÍLIA

O Direito de família é um ramo específico do Direito Civil e que regulamenta as relações familiares e as obrigações e direitos daí decorrentes.
Nesse aspecto, o Direito de Família abrange as regras sobre casamento, divórcio, reconhecimento e dissolução de união estável, filiação, adoção, pensão e custódia, troca de regime de bens do casamento, interdições e curatelas, investigação de paternidade, ações sobre guarda de menores, ações de regulamentação de visitas, ações sobre pensão alimentícia e mais.

AÇÃO DE SEPARAÇÃO DE CORPOS

Existem algumas situações em que se faz necessária a intervenção judicial para que os cônjuges sejam separados. Normalmente se visa com isso a proteção da integridade física e psíquica das pessoas envolvidas;

 

AÇÃO DE

DIVÓRCIO

O divórcio significa o rompimento da relação de casamento de forma definitiva. A partir da decretação do divórcio é possível casar novamente, pois restará rompido o vínculo matrimonial. O divórcio pode ser realizado de forma amigável ou litigiosa, e mesmo sendo consensual, nada impede que cada parte tenha o
seu próprio advogado;

AÇÃO PARA RECONHECIMENTO DE UNIÃO ESTÁVEL

A união estável é a relação afetiva que não possui as formalidades de um casamento.

Por isso se diz que é uma situação de fato. Ela deve ter uma série de características para poder ser definida como uma união estável e se este o caso, existem várias consequências de ordem jurídica.
Assim, mesmo que o intuito do casal seja viver a dois e não casar, o ideal é que haja uma regulamentação de sua situação através de um contrato de convivência e/ou escritura de união estável, onde os interessados podem convencionar várias coisas, dentre as quais a data de início da relação e também o regime de bens que desejam.
Com o rompimento da relação, seja pela separação, seja pela morte, é preciso ajuizar uma ação para que seja judicialmente declarada a união estável e, por decorrência, os direitos daí advindos;

 
 

AÇÃO SOBRE PENSÃO ALIMENTÍCIA

O direito a receber alimentos normalmente decorre da condição de uma pessoa não poder prover os próprios meios de subsistência (menor, idoso, inválido) e que poderá se socorrer de pessoa com a qual mantém vínculo, consanguíneo ou matrimonial. O dever de pagar alimentos é imposto por lei, e aquele que for declarado devedor deverá fazê-lo sob pena inclusive de prisão;

AÇÃO DE INTERDIÇÕES E CURATELAS

Em certos casos as pessoas podem necessitar de um representante para realizar atos da vida civil. Isso é necessário para aqueles que por alguma razão não possuem o necessário discernimento ou não podem exprimir sua vontade. Nesses casos, há que se regularizar tal situação, o que se faz por meio de um processo de interdição, nomeando-se o Curador para exercer a administração da vida e bens do interditado.

 
 
whatsapp-logo-1.png